domingo, 13 de março de 2011

Farewell

Era uma tarde de janeiro. Não fosse pelo fato de estar passando o verão em outra cidade - Vilha Velha (ES) - poderia uma tarde como qualquer outra. Meus 12 anos haviam chegado há apenas 2 meses mas eu teimava em me apegar à excência de anos anteriores.
Após dias seguidos de praia a novidade era conhecer o shopping de Vitória e assim fomos. Passeio monótono e a resolução era escolher entre assistir Ace Ventura 2 ou um desenho animado, (coisa de criança!) com nome em inglês, Toy Story.
Entrei esperando um desenho animado qualquer; Pixar? que?
O que aconteceu foi um marco em minha vida. Aos 12 anos, eu havia abandonado meus brinquedos em detrimento de um "crescimento" que somos forçados a aceitar. Naquele momento o filme me serviu como despedida de uma infância cheia de brinquedos e brincadeiras.
Os anos seguiram e a cada vez que revia Toy Story era uma sensação diferente até se tornar uma Ode à uma infância nostalgica.
Toy Story 2 trouxe uma diversão maravilhosa, risos e uma ilusão de que a infância nunca terminaria!
Hoje assisti Toy Story 3. Março de 2011. E aos 27 anos eu chorei.
Revivi as emoções que eu não entendia aos 12 anos, ri novamente como ri aos 16, e enfim me despedi - com lágrimas - da minha infância.
15 anos se passaram desde que me apeguei ao cowboy Woody ("Alguém envenenou a água do poço!") e ao astronauta Buzz ("Ao infinito e além!"), cantei durante todos esses anos que "Amigo estou aqui" e hoje me emocionei percebendo que o tempo passa e, como o Andy, todos nós crescemos.
Porque a Pixar demorou tanto tempo pra finalizar a trilogia? Pra que crescêssemos junto com ele.
Sim, crescemos e deixamos aquilo que nos fazia crianças para trás, nossos brinquedos. E se em tudo fica um pouco de nós, em nossos brinquedos ficaram muito de nós - de nossos verdaderos egos.
Me emocionei com remorso dee não ter me despedido de mim mesmo ao deixar pra trás meus brinquedos, meus amigos.
"Amigo estou aqui. Se uma coisa é ruim e são tantos problemas que não tem fim, não se esqueça o que ouviu de mim: amigo estou aqui."

Adeus amigos e obrigado por tudo.

Godspeed.

sábado, 21 de agosto de 2010

Aliteração

Tum tum.
Bate.

Tum tum tum.
Repica.

tumtumtumtumtum... me falta o ar. me falta o chão. me falta.

Faz falta. Aumenta, fere, completa.
É a completa falta que faz estar completo.

Tum tum... tum... tum...

Tic tac tic tac...

Eu não vivo conforme o tempo.
Eu não temo o que me torna vivo.
Vivo sem forma, sem regra, sem tempo.
Coadjuvante de anos passados, não me submeto aos segundo que passam séculos.

Sou atemporal. Independente do relógio, do calendário, do aniversário - que teima em chegar todo ano, de surpresa, no mesmo dia, por mais que tente evitar.

Tenho por pretensão tornar minha existência maior.
A plenitude não está em viver o que o tempo permite, mas em se permitir viver o que o tempo não determina.
Tempo, sempre tão presente no passado ou no futuro.

Sigo, corro, vivo.
Acredito.

See you the future!
Godspeed!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Um salto no escuro

Respira.

Profundamente.

3, 2 , 1...

Aconteceu.

Dizem que as coisas dependem umas das outras pra existir.
Som e silêncio, Escuridão e luz, vazio e plenitude.

Estive caminhando no vazio escuro em silêncio. Em paz, reto, tranquilo e meditando.
Me sentindo entre um estado de letargia e atenção limitada.

Feliz?
- Talvez.
- Calmo.

Então houve a ruptura. Como uma sinfonia de sons, cores, luzes, preenchendo todos os espaços que antes eram vazios e desabitados.

E o que antes era suficiente se tornou pouco. A intensidade voltou a fazer parte do todo que estava adormecido.
Intenso, pleno, completo!

Mesmo que momentâneamente me permiti...
O que será o amanhã?
Será mais um dia de escolhas, e a primeira: Ser feliz com o que Deus me dá ou viver insatisfeito.

Voe. Não se esqueça do que ficou pra trás.

See you in another life.

Godspeed!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Eyjafjallajoekull

Retorno.
Como uma explosão repentina de sentimentos guardados há séculos.

Por onde andei?
Por onde passei?
Por onde deixei marcas, pegadas, registros?

Voltei.
Por quanto tempo, não sei.
Em quantos posts estarei presente é difícil determinar.

Aos poucos me reencontro comigo.
Um Diogo escondido num canto de mim que há tempos não acessava.

É bom estar de volta.

Olá Diogo!

Godspeed!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Lençol Branco

Eu quero esse lençol comigo quando eu estiver contigo me lambuzando de paixao. Meu lençol amigo que ele esteja invicto quando eu me desmanchar no meu mar de sensações. Que ao menos este perdure enquanto eu mude, pra que eu não esqueça quem é que está aqui dentro de mim, no momento me dizendo assim: afunde.

(Fofisluxi)

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Live and learn

É... um dia a gente aprende...

Mas hoje não.
Hoje eu só quero dormir.

Godspeed!

sábado, 24 de janeiro de 2009

São coisas que a gente não conta, contas que a gente não faz...

Quantas vidas vale R$ 1,00?

Quanto vale uma vida?

Diariamente assistindo tv, lendo jornal, vendo notícias em todo canto me pergunto o valor de uma vida. De duas vidas. De todas as vidas...
Banalizaram a violência... banalizaram a morte...
Morte vende jornal... SANGUE vende jornal...

É triste... mas não é triste!
A morte no jornal, a morte na tv é banal... trivial... somente uma interrupção entre "um novo pacote econômico" e "um novo jogador contratado"...

Querem saber quanto valem esses poucos segundos na tv?
Milhares de reais...
é... a Morte vale mais que a vida...

Godspeed

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Contradança

Dançando no campo minado.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Contratempo

O tempo passa ligeiro...
Como diz o coelho branco que Alice viu:

- É tarde! É tarde! É tarde!

Mas nunca tarde demais pra recomeçar...

Godspeed!